A APRENDIZAGEM E SUAS DIFICULDADES

Aprendizagem

Aprendizagem, é o processo de transformação pessoal de conhecimentos,

informações e dados que produzem algum tipo de mudança. A reação do

cérebro aos estímulos do meio, ativando sinápses ou tornando ­as mais

intensas. É um processo evolutivo e constante.

Aprender significa mudar comportamento com interferências do físico,

biológico, meio ambiente, psicológico e emocional.

A aprendizagem pode ser ativa, quando ocorre novas informações e

conceitos relevantes existentes na estrutura cognitiva do aluno, ou passiva,

aquela que o professor despeja a matéria independente das experiências

anteriores do aluno.

Dificuldades de aprendizagem

Alunos privados de material escolar adequado, de ambiente propício para

estudar em casa, pouco exposto à experiências sensoriais, perceptivas,

motoras, motivacionais e emocionais essenciais ao funcionamento e

reorganização do sistema nervoso, podem ter dificuldades para aprender,

mesmo que não sejam portadores de alterações cerebrais, transtornos

psiquiátricos e distúrbio de aprendizagem, podem dificultar a aprendizagem.

Nem sempre o problema está no cérebro, a maioria dos casos tem relação

com outros fatores que são relacionados com a família, a escola, o meio

ambiente, por influências culturais, sociais, econômicos e também pelas

políticas públicas da educação.

As principais manifestações apontando que o aluno apresenta dificuldade

para aprender, são:

­Leitura­ falha na decodificação, no reconhecimento de letras/palavras e na

adição e transposição de fonemas e sílabas, ocasionando lentidão na

leitura. Dificuldade em compreender o texto lido,

­Escrita­ Substituição, omissão, adição e transposição de grafemas e

sílabas. Dificuldade em produzir um texto espontaneamente.

Quando o aluno não aprende, aparece interferências negativas no seu

comportamento: sentimento de incompetência pessoal, vergonha, baixa

auto estima, distanciamento das demandas de aprendizagem, raiva e

agressividade.

 

 

NEUROCIÊNCIA E EDUCAÇÃO

 

É o estudo de como o cérebro aprende, como as redes neurais são

estabelecidas no momento da aprendizagem, de que maneira os estímulos

chegam ao cérebro, da forma como as memórias se consolidam e de como

temos acesso a essas informações armazenadas. Dessa forma podemos

compreender que o uso de estratégias adequadas, em um processo

dinâmico e prazeroso, provocará alterações na quantidade e qualidade de

conexões neurais, afetando de forma positiva e permanente do

funcionamento cerebral.

De acordo com os estudos na área de Neurociência, a aprendizagem ocorre

quando dois ou mais sistemas, funcionam de forma inter­relacionados,

assim podemos entender como é valioso aliar a música e os jogos às

atividades escolares, podendo assim trabalhar simultaneamente os

sistemas, auditivo, visual e tátil. O educador contribui, ministrando aulas de

forma lúdica, dinâmica, divertida, rica em conteúdos visuais e concreto,

onde o aluno participe, questione e se torne ativo na construção do seu

próprio saber.

Para tornar as estratégias possíveis na sala de aula, o educador precisa

estabelecer regras para que haja um convívio harmonioso, uso de materiais

diversificados que explorem todos os sentidos, trabalhar o conteúdo de

várias formas, flexibilidade visando uma aprendizagem mais dinâmica.

Assim, sabemos que as estratégias facilitadoras, estimulam as sinápses,

consolidam o conhecimento, onde cada estrutura cerebral se interliga para

que todos os canais sejam ativados.

­Neurociência na sala de aula

Na sala de aula, ajuda o professor a identificar o aluno como um ser único e

que em seu ritmo é capaz de aprender. Hoje comprovado cientificamente,

todos são capazes de aprender, devido a plasticidade do cérebro,

beneficiando a memória, o raciocínio, linguagem e outras áreas cognitivas.

As diversas dificuldades escolares, são a desconcentração, falta de foco,

distúrbio de memória, esquecimento, falta de atenção, dificuldade de

aprender língua estrangeira e bloqueio entre tantos outros fatores que

limitam o sucesso no desempenho escolar.

Estímulo

O estímulo é fundamental para o desenvolvimento integral do aluno, no que

se diz, físico, motor, social, emocional e cognitivo.

­Físico e motor: O desenvolvimento acontece no movimento e coordenação

desse movimento, explorar e conhecer o mundo, tocar, se conhecer, se

organizar no seu próprio corpo.

­Social: Desenvolve a capacidade de estabelecer relações saudáveis com o

outro. Os jogos são indicados para a socialização. Compartilhando opiniões,

obedecendo regras comuns aos participantes.

­Emocional: O desenvolvimento se dá na capacidade de sentir e ter

autoconfiança, aprendendo a lidar com os sentimentos. A dramatização

possibilita que o aluno explore todo sentimento através do lúdico.

­Cognitivo: O desenvolvimento acontece quando estimula a capacidade de

pensar, representar e analisar. As atividades diferenciadas, leva o aluno a

uma relação mais harmoniosa com a aprendizagem.

 

 

 

 

 

­